Smart cities: Novo modelo de cidade promete mais qualidade de vida

Smart cities: Novo modelo de cidade promete mais qualidade de vida

Antonio
Caramelo

Arquiteto

O conceito das smart cities, ou cidades inteligentes, traz uma relação de conexão entre cidadãos e serviços, por meio da tecnologia, com o propósito de proporcionar mais qualidade de vida à população, tanto em termos sociais quanto econômicos, atendendo às novas demandas da vida moderna. Pensar em uma cidade inteligente é pensar em soluções compartilhadas, acessibilidade, otimização do tempo, sustentabilidade, mobilidade urbana, serviços públicos eficientes, e isso é só para exemplificar. “As smart cities significam o futuro no presente e apontam para uma tendência irreversível de desafiar o homem a viver sua inteligência em plenitude, tendo como experiência um novo modelo de cidade”, explica o arquiteto Antonio Caramelo.

A idealização das cidades inteligentes surge em um contexto em que o planejamento urbano convencional deixa de atender às necessidades reais da população. Aliado a isso, as injustiças sociais em quesitos relevantes, como moradia, saúde, educação e transporte, acabaram estimulando a formatação de um novo modelo de moradia, capaz de promover a dignidade humana de forma mais eficaz. “A alternativa foi pensar um estilo de cidade preparada para ser mais humanizada, ecológica, sustentável e pensante, que conseguisse dialogar com seus habitantes e com o meio ambiente e que potencializasse o aproveitamento das edificações e áreas urbanas”, explica o arquiteto. Assim, é possível garantir ao cidadão um estilo de vida que contemple preservação e sustentabilidade ambiental, melhorias no transporte público, consumo consciente, planejamento urbano
adequado, viabilizando o bem-estar social.

Com o surgimento da internet e os avanços nos sistemas de comunicação, automação, inteligência artificial e afins, o ambiente estava propício para a configuração deste novo protótipo de morada. “Tudo isso proporcionou a criação de cidades inteligentes já em linha de produção e comercialização no Brasil e em todo mundo”, conta Caramelo. Essa nova proposta fez nascer a
comunidade voltada para as pessoas e não para veículos, agregando importantes conceitos, como o do compartilhamento.

Desafio

A criação das cidades inteligentes é agora um desafio aos profissionais que lidam especialmente com engenharia e arquitetura, para que a smart city seja efetivamente inteligente, englobando suas características essenciais. “Planejar uma nova cidade ou modificar cidades existentes exige de nós, responsáveis pela tarefa, muito trabalho de observação, estudos e pesquisas sobre características e potenciais geomorfológicos,  hídricos, físico-territoriais, econômicos, financeiros, populacionais, ecológicos e tantos outros, que servirão para alicerçar uma proposta que dê respostas ao cotidiano comunitário”, pontua Caramelo.

Vai caber a estes profissionais buscar as soluções estruturais mais compatíveis com o novo modelo de morada, a fim de  promover a sustentabilidade não apenas em termos ambientais, mas também em termos econômicos e sociais. O objetivo será
sempre a busca pela melhoria da qualidade de vida dos indivíduos, em relação não apenas à moradia, mas também à segurança e saúde, por exemplo. “No nosso exercício profissional não podemos nos permitir a mínima desatenção com relação às  influências que nos conduzam a adotar soluções simplistas, sugerindo formulas mágicas para solucionar grandes e pequenos
problemas relativos à cidade. Isso é quase sempre perigosamente sedutor, por ser recheado de promessas solucionadoras, que muitas vezes se mostram falidas”, conclui Caramelo.

No Brasil, aos poucos está sendo implantado o conceito de cidade inteligente. “Em Croatá, município do Ceará, encontra-se já em comercialização e em processo de construção avançado a Smart City Laguna, a 60km de Fortaleza, que pretende ser a primeira Smart Social do Norte/Nordeste do Brasil, com capital anglo-Italiano e construção da Planet, empresa Italiana”, conta Caramelo. Outro exemplo é a Smart City LEM, no Centro-Oeste, projetada por seu escritório, com capacidade para absorver avanços e implementações conceituais e tecnológicos, que lhe permitirão desfrutar de condições e qualidades que as cidades do futuro venham a contemplar.