Universo corporativo: acústica adequada eleva produtividade

Universo corporativo: acústica adequada eleva produtividade

Débora
Barretto

Arquiteta e Diretora técnica
da Divisão de Acústica – AUDIUM

O desconforto acústico é uma das principais causas externas de baixa produtividade em ambientes corporativos. O motivo é simples, explica a arquiteta e diretora técnica da Audium, Débora Barretto: “Boa parte do tempo dos funcionários em um escritório é gasto com tarefas que exigem níveis elevados de concentração. O ruído distrai a atenção e desvia o foco. E se perdemos o foco na atividade, aumentamos o tempo necessário para sua conclusão e reduzimos drasticamente o nosso rendimento”. Por isso, é fundamental investir no tratamento acústico do espaço, e, consequentemente, na qualidade do ambiente. E o que quer dizer investir em tratamento acústico? Significa adotar soluções arquitetônicas específicas, a fim de reduzir os ruídos provenientes de equipamentos, da área externa e principalmente da própria atividade humana.

Além de prejudicar a produtividade, o barulho aumenta o estresse, causador de inúmeras enfermidades, como pressão alta, problemas digestivos e dores de cabeça. A poluição sonora nos ambientes corporativos interfere não apenas nas questões profissionais, mas também nos aspectos sociais e na qualidade de vida, transformando-se em motivo para o aumento do índice de falhas e até das ausências dos colaboradores. E os resultados provenientes do investimento na melhoria da acústica do ambiente corporativo são bastante atrativos. De acordo com estudos recentes, ambientes de trabalho com tratamento acústico conseguem melhorar o foco dos trabalhadores em cerca de 48%, diminuir as distrações por conversas paralelas pela metade, reduzir as taxas de erros em torno de 10% e minimizar os sintomas físicos do estresse.

E se a acústica melhora, a rentabilidade do negócio cresce na mesma proporção. “Um ambiente de trabalho bem projetado, que aposta na privacidade, no layout, posicionamento de mobiliário, materiais e sistemas mecânicos e de ar condicionado, é uma ferramenta poderosa de negócios. “Os benefícios do conforto acústico são incontáveis, passam pela economia financeira da empresa até o desenvolvimento da comunicação, do trabalho em equipe e do clima organizacional”, conta Débora Barretto. A arquiteta faz ainda questão de desmistificar a teoria do silêncio absoluto. “É possível se enganar pensando que silêncio é a solução. Em um escritório demasiadamente silencioso, qualquer barulho tira a concentração dos trabalhadores. Mas ruído excessivo também é prejudicial. O segredo está em encontrar o nível correto de som residual”, explica.

Como melhorar a acústica?

Há uma série de soluções capazes de alavancar o conforto acústico dos ambientes corporativos. Entre as alternativas, estão instalar forros e/ou revestimentos; bloquear as paredes, forros e esquadrias com materiais de adequado isolamento acústico e cobrir ou mascarar sistemas de sons com emissão de ruído artificial. É necessário contratar um profissional habilitado e experiente, que estude o lugar e ofereça as opções mais apropriadas para cada caso. Adotar estas sugestões vai assegurar que os profissionais não se distraiam tantas vezes ao longo do dia e fiquem protegidos do estresse desnecessário.

“A preocupação com a acústica nos recintos de trabalho é importante em qualquer segmento e se reverte em ganhos diretos para a organização. Em instituições de saúde, por exemplo, colabora inclusive com o restabelecimento dos pacientes. Na área de restaurantes e afins, melhora a experiência e satisfação do cliente. E nos escritórios, aumenta significativamente a produtividade. Ou seja, ela sempre se reverte em ganho financeiro para as empresas”, conclui Débora Barretto.