Matérias

 

Conheça nosso instagram

Acabamentos personalizam ambientes e refletem tendências

A etapa de acabamentos e revestimentos é a mais instigante de qualquer obra, pois dá personalidade aos ambientes e define o estilo,deixando-os com a cara do dono. “É o toque final,representa a parte visível e tátil da construção, além de transmitir equilíbrio, sensações e harmonia”, afirma a arquiteta de interiores e urbanista, Celeste Leão.

E como pode um acabamento representar sensações? Celeste Leão explica. “Pelas texturas, pois o tato nos remete a lembranças diversas. O estilo vintage, por exemplo, nos lembra as calçadas onde pisávamos descalços. Já o efeito de luz e sombra nos revestimentos em 3D são capazes de criar emoções”, ressalta.

A profissional, que acumula mais de 35 anos de experiência, conta que esta fase resulta de um ajuste de três fatores: a competência e experiência do profissional, o gosto e a verba do cliente. E mais, além da estética, a fase de acabamentos precisa ter foco também na facilidade de manutenção.

celeste leao1

A escolha dos materiais ideais

O orçamento do cliente e a função específica do ambiente direcionarão a escolha dos materiais. “Se a área é aberta e molha, os pisos não devem ser polidos, para evitar escorregões. Para a área social, devemos pensar em cores neutras, que não interfiram na escolha de outros itens da decoração, como estofados, tapetes e cortinas”, exemplifica Celeste Leão.

As réguas de madeira devem ser usadas em quartos e gabinetes, que não podem ser lavados, apenas higienizados. Nas áreas de lazer, a especialista sugere piso de alta resistência com PEI 5, texturizado, não poroso e, de preferência, fosco, como mármore ou granito levigado. Nas paredes das áreas gourmet, dá para brincar um pouco mais.

“Podemos investir nos relevos, estampas e cores, apostando em elementos sensíveis ao tato”, destaca. Mas não basta se preocupar com estética, é indispensável investir em produtos de qualidade, para que o trabalho fi que impecável. “É preciso adquirir boas cerâmicas, argamassa, rejuntamento. E seguir as orientações dos fabricantes, que oferecem equipe técnica para orientar os profissionais”, salienta a arquiteta.

Celeste Leão também alerta para a escolha dos profissionais. “Essa parte é crucial, para o resultado final. O cliente precisa de mão de obra qualificada. Ter um bom pedreiro faz diferença. A mão de obra refinada interfere para que os cortes nas cerâmicas e azulejos saiam perfeitos”, explica.

Principais tendências

celeste leao2As tendências são fontes de inspiração para quem quer construir ou reformar. A arquiteta Celeste Leão faz um apanhado das apostas mais significativas do momento. “Texturas oxidadas; os tijolinhos ingleses, com espaços entre eles para inserção de musgos vivos; os azulejos que fi zeram sucesso nos anos 60 voltam fortes, no 20 x 20”, elenca.

Ela ressalta que também seguem em alta os revestimentos assinados por designers, como Zanini de Zanine e Rodrigo Ohtake; os temas religiosos; as influências da mãe natureza, dos cimentícios e dos metalizados. “A madeira continua forte, e surgiu também uma linha artesania, inspirada nas rendas de bilros e bordados brasileiros”, completa.

A arquiteta dá dicas de como utilizar essas tendências. “Gosto muito dos cimentícios em salas e sanitários. A mãe natureza, nas cozinhas e salas de refeição. Os azulejos, em cozinhas, varandas gourmet, sanitários e garagens. Os tijolinhos ingleses, nas fachadas e varandas. Os oxidados vão dos sanitários aos quartos. Já a linha artesania cai bem em quartos e sanitários femininos e em atelier de costura”, enumera.